Uso de espuma acústica adequada poderia evitar tragédias

por / quinta-feira, 22 junho 2017 / Publicado em Espuma acústica
espuma acustica

Incêndios como o da boate Kiss em 2013 e de uma igreja de Vitória no início do ano, são exemplos de como o uso de materiais acústicos não profissionais pode causar prejuízos que vão muito além do financeiro.

Há pouco mais de quatro anos aconteceu no município de Santa Maria, Rio Grande do Sul, uma das maiores tragédias da história recente brasileira. O incêndio na boate Kiss matou 242 pessoas e feriu mais de 600. Dentre as vítimas que morreram no local do acidente, a maioria delas, mesmo não sendo atingida pelas chamas, foi sufocada pela fumaça tóxica que o revestimento acústico irregular do local liberou.

espuma acustica em boates

A espuma acústica utilizada no ambiente era altamente inflamável

Peritos do corpo de bombeiros do município apontaram o revestimento irregular como uma das principais causas do acidente, além da ausência de portas de emergência suficientes para o número de frequentadores.

Acidentes são frequentes por causa do uso de material de isolamento acústico inadequado

Ainda em 2004, quase 200 pessoas foram vítimas de uma catástrofe nas mesmas proporções da boate no interior gaúcho. Durante um show na Boate República Cromañon, em Buenos Aires, Argentina, um rojão atingiu o forro que tinha supostamente um isolante acústico, mas era feito de material inflamável.

Mais recentemente, neste ano, uma igreja em Vitória, no Espirito Santo, também pegou fogo pelo mesmo motivo. Uma faísca de um curto-circuito no sistema de som no auditório acabou atingindo a espuma do isolamento acústico e os bombeiros precisaram de 10 mil litros de água para controlar o incêndio.

Outro acidente ocorrido na cidade de Campinas (SP), em maio, matou um DJ de 17 anos dentro de um estúdio feito na própria casa.

Tragédias poderiam ter sido evitadas com espumas acústicas que não propagam chama ou incombustíveis.

Mesmo que só o revestimento não tenha sido a causa principal de todos estes acidentes, caso fosse adequado ele poderia retardar o efeito das chamas, evitando prejuízos e salvando vidas.

No caso da boate Kiss, especialistas afirmam que mesmo que uma das principais causas da morte da maioria das vítimas tenha sido a ausência de saídas de emergência, caso as chamas não tivessem se alastrado com tanta facilidade, provavelmente a maioria das pessoas conseguiria fugir do local a tempo. O mesmo aconteceu no caso do DJ em Campinas: assim que o fogo começou, ele não teve mais tempo de fugir.

Uso da espuma acústica

A espuma acústica é usada principalmente para controlar a acústica e reduzir o tempo de reverberação (eco) dentro de um espaço fechado. Dessa forma, o som fica mais “seco”, garantindo maior qualidade. Normalmente é utilizada em estúdios de gravação, estações de rádio e de gravadoras, home theaters, cabines de som, auditórios, salas de treinamento, escritórios, centrais de telemarketing, entre outros ambientes.

espuma acustica

Na hora de fazer o melhor isolamento acústico, a segurança deve ser tão levada em conta quanto a capacidade de isolamento. Por isso, verificar se o material não é inflamável é fundamental para evitar acidentes.

Tipos de espumas acústicas

Quanto a sua composição existem 2 tipos diferentes de espumas acústicas oferecidas como “tratamento acústico”:

  • Espumas de poliuretanos convencionais – são extremamente inflamáveis, pois não possuem qualquer tratamento retardante à chama. São usadas mais normalmente em móveis e colchões. Além de pegar fogo rapidamente, este material também emite uma série de substâncias tóxicas quando queima.
  • Espumas acústicas feitas a base de poliuretano poliéster flexível auto extinguível (anti-chama) são ideais para utilização em locais que necessitam absorção sonora e controle de reverberação. Os aditivos usados em sua fórmula a tornam incombustível e não emitem fumaça tóxica, atendendo os requisitos máximos de segurança de acordo com a Norma Técnica dos Bombeiros e a Norma ABNT NBR 9442/1986.

“Os principais materiais utilizados para isolamento acústico, principalmente em ambientes públicos, não podem ser inflamáveis para que tragédias como a da boate Kiss e outras, nunca mais aconteçam”, comenta Claudecir Silva, diretor da Amplitude Acústica, de Curitiba. E isso pode ser facilmente obtido com o tratamento necessário dos materiais no estágio de fabricação. Por isso tudo e principalmente quando o assunto envolve locais públicos e vidas, o melhor é que o tratamento acústico seja feito por profissionais com experiência e comprometimento.

Deixe uma resposta

TOP