Os perigos das festas silenciosas para a audição

por / quarta-feira, 25 novembro 2015 / Publicado em Variedades

As festas silenciosas são uma opção diferente de divertimento, mas podem esconder perigos para a saúde de quem as frequenta

A primeira grande festa silenciosa aconteceu na Inglaterra, em 2005, quando os organizadores enfrentaram problemas por conta das leis que limitavam o barulho. Elas ficaram mais conhecidas em festivais de música, como o Coachella e Bonnaroo, e vem ganhando espaço nas grandes cidades do mundo, inclusive no Brasil.

Como funcionam as festas silenciosas

Os locais que promovem esse tipo de festa são as mesmas casas noturnas tradicionais que recebem shows e atrações musicais, e também contam com DJ. A diferença é que, quando chegam às festas silenciosas, ao invés de comandas e cartões, os clientes recebem fones de ouvido sem fio.

Normalmente dois DJs se apresentam por noite, simultaneamente, e quem está na pista pode escolher qual das apresentações quer acompanhar pelos fones.

dj-720589_1920

Os problemas auditivos com o uso dos fones de ouvido

Essas festas são vistas como uma alternativa para que os empresários não precisem fazer tratamentos acústicos nos estabelecimentos e se adequem à lei do silêncio, mas pode ser perigoso para quem participa.

Isso porque os fones de ouvido nas festas silenciosas são regulados para simular uma balada, ou seja, expõem o público a um volume muito alto de barulho, quando o nível tolerável é de até 80 decibéis.

concert-336695_1920

Isso porque os fones de ouvido nas festas silenciosas são regulados para simular uma balada, expondo o público a um volume muito alto de barulho, quando o nível tolerável é de até 80 decibéis.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, os fones de ouvido, quando usados por mais de 90 minutos por dia, aumentam o risco de zumbidos e perda auditiva no prazo de cinco anos. Além disso, um estudo britânico revelou que, com o uso excessivo dos fones de ouvido, as pessoas precisarão começar a usar aparelhos auditivos a partir dos 50 anos de idade, duas décadas antes do recomendado.

Deixe uma resposta

TOP