Ruído hospitalar prejudica tratamento de pacientes e trabalho de profissionais

por / quinta-feira, 15 dezembro 2016 / Publicado em Isolamento acústico, Projeto isolação acústica, tratamento acustico

Projetos de isolamento acústico podem solucionar problemas de barulho nos hospitais

Pacientes, médicos, enfermeiros e demais profissionais que atuam em hospitais, além de enfrentarem todos os dias os desafios relacionados a saúde dos pacientes, também lidam com os incômodos causados pelo ruído hospitalar, cuja origem pode ser tanto externa quanto interna.

As causas podem variar bastante. Algumas das fontes de barulho mais comuns nos hospitais são os aparelhos de monitores cardíacos, equipamentos de emergência, ambulâncias, ar condicionado, bombas de vácuo e, também, ligações telefônicas ou conversas em voz alta entre os próprios profissionais da saúde. Isso sem falar do barulho externo, sobretudo do trânsito e da vizinhança ao redor do hospital.

A poluição sonora em um complexo hospitalar não apenas incomoda quem trabalha, mas também pode retardar o processo de recuperação dos pacientes, prejudicando assim a própria função do hospital. O sono, componente fundamental no tratamento de muitos problemas de saúde, é facilmente interrompido com excesso de barulho. O ruído também pode causar alteração na pressão arterial e prejudicar o processo de cicatrização de ferimentos ou de incisões operatórias.

Limites para o barulho dentro de hospitais

O ruído excessivo é uma questão que vem se agravando em hospitais do mundo todo. Um estudo realizado pela Archives of Internal Medicine, periódico da American Medical Association, constatou que o nível de barulho em muitos hospitais ultrapassa os 50 decibéis. Alguns chegaram a registrar 80 decibéis, o que equivale ao som produzido por uma motosserra.

Estes índices são maiores do que o recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que estabelece o limite de barulho em quartos de hospital entre 40 decibéis no período diurno e 35 decibéis no período noturno. Outra norma internacional, do Committee to Establish Recommended Standards for Newborn ICU Design, estabelece que em Unidades de Tratamento Intensivo o ruído não deve exceder 50 decibéis.
Os limites no Brasil são semelhantes. A norma 10152/1987 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) recomenda uma variação entre 35 a 45 decibéis. Portanto, a quantidade de barulho, seja nos parâmetros internacionais, seja nos nacionais, estão bem próximos.

Soluções para redução do ruído hospitalar

A forma mais eficiente de se combater o barulho dentro dos hospitais é integrar um projeto de isolamento acústico já na concepção arquitetônica e de engenharia do hospital. Como se trata de estabelecimentos complexos, com muitas salas, corredores, andares, e diferentes unidades de tratamento, cada um merece um estudo específico para eliminar ruídos e vibrações excessivas.

Mas é claro que é possível reduzir o barulho em hospitais que não contaram com esse tipo de projeto na sua concepção. Com a avaliação de um especialista, é possível diminuir o ruído com o uso de materiais isolantes, como a espuma acústica, além da instalação de portas e janelas acústicas nos quartos, por exemplo. Outra medida fundamental para diminuir a produção de ruído em hospitais é através do enclausuramento de máquinas e equipamentos barulhentos.

Deixe uma resposta

TOP