Barulho excessivo nas empresas atinge 25% dos trabalhadores e causa problemas que vão além da surdez

por / quarta-feira, 16 março 2016 / Publicado em Tratamentos acústicos, Variedades
poluição sonora nas indústrias

A audição é o sentido que mais insere o ser humano no mundo. Por outro lado, a perda dela causa prejuízos que vão muito além da dificuldade de ouvir, podendo muitas vezes causar até mesmo demência.

A diminuição da capacidade de audição é freqüente e atinge cerca de 30% das pessoas com mais de 65 anos. De certa forma, é um processo normal com o desgaste da idade, entretanto, outros fatores, como a hereditariedade e a exposição crônica a ruídos altos, são fatores que contribuem para a perda progressiva de audição ao longo do tempo.

Nesse sentido, entre a população trabalhadora a perda de audição é um problema bastante alarmante, já que é a doença ocupacional mais comum. O barulho é um agente nocivo presente na maior parte dos ambientes de trabalho, nos mais diversos segmentos, desde indústrias até o setor de serviços. Estudos realizados em várias partes do mundo estimam que 25% da população trabalhadora está sujeita a ter problemas auditivos, e a exposição ao ruído é a terceira maior causa de doenças relacionadas ao trabalho.

Uma das doenças mais comuns é a perda auditiva induzida por ruído, conhecida pela sigla PAIR, causada pela exposição contínua a níveis elevados de pressão sonora: mais de 85 dB por mais de 8 horas já é capaz de gerar alterações no ouvido interno.

poluição sonora nas indústrias

A questão acústica no meio industrial é um fator importante neste cenário, afinal cerca de 20% da população mundial está freqüentemente exposta ao ruído gerado por fábricas e indústrias.

Siderurgia, metalurgia, gráfica, têxteis, papel e papelão e vidraria estão entre os segmentos industriais em que os trabalhadores estão mais sujeitos à PAIR. Mas a exposição ao ruído intenso também afeta outros profissionais como “dentistas, militares, operários da construção civil e obras públicas, aeroportuários, coletores de lixo e por aí afora”, assinala Everardo Andrade da Costa, professor da disciplina de Otorrinolaringologia, Cabeça e Pescoço da Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O ambiente industrial propicia diversos problemas relacionados à acústica. É normal projetos arquitetônicos do setor darem maior relevância aos aspectos térmicos, ergonômicos e de iluminação, do que ao tratamento acústico.

O conforto acústico em indústrias não recebe a preocupação que merece. Para controlar a exposição ao barulho, é comum o uso de protetores auriculares (Equipamentos de Prevenção Individual – EPI), que funcionam como paliativos. A solução mais efetiva envolveria uma preocupação maior com o ambiente construído através do planejamento adequado de tratamento acústico para uma reverberação melhor do som e também o isolamento acústico de fontes emissoras de barulho.

O Controle de Ruído Industrial é um processo que adota várias medidas para não expor os funcionários das indústrias a níveis de ruído prejudiciais para a saúde.

“O Enclausuramento Acústico de Máquinas é a melhor forma de confinar acusticamente equipamentos que geram ruído acima do permitido”, comenta Claudecir Silva, diretor da Amplitude Acústica, empresa curitibana especializada em soluções de tratamento acústico.

Entre as principais soluções aplicadas para o enclausuramento de máquinas estão:

– Cabines Acústicas – para Operadores, para Grupos Geradores, para Audiometria e Máquinas em geral;
Barreiras Acústicas – proteções colocadas entre a fonte produtora do ruído e o receptor;
Atenuadores de ruídos – indicados para reduzir ruídos excessivos e seus efeitos em ambientes abertos ou fechados;
Portas Acústicas – para isolamento acústico de casas de máquinas, sala de grupos de geradores, entre outros.

Apesar de não ser uma doença letal, a surdez ocupacional diminui a capacidade de milhões de trabalhadores nas suas atividades, além de estudo e lazer, comprometendo sua qualidade de vida e da família.

Mas os problemas gerados pela exposição ao ruído no trabalho podem ir além da perda de audição, causando problemas gástricos, cardíacos, dor de cabeça, insônia, estresse, irritabilidade, diminuição da concentração, entre outros.

Por isso, é essencial que as empresas dêem mais atenção ao tratamento acústico para reduzir a emissão de barulho e os problemas causados por ele. Além de garantir a saúde e o bem-estar dos seus colaboradores, as medidas ainda ajudam a aumentar a produtividade, e consequentemente os lucros.

Deixe uma resposta

TOP