Fale Conosco
Clique aqui!
X
Clique aqui e Peça seu Orçamento!
Clique aqui e Peça seu Orçamento!

Saúde do trabalhador: quando o barulho freia o crescimento da empresa

por / segunda-feira, 13 novembro 2017 / Publicado em Cabine acústica, Destaques, Enclausuramento acústico, Isolamento acústico
barulho causa dano a saude do trabalhador

Por mais inofensivo que pareça, o barulho pode ser um grande risco à saúde do trabalhador. Empresas devem ficar atentas para não saírem prejudicadas.

Buzinas, fones de ouvido e várias pessoas falando ao mesmo tempo em locais fechados. É inegável que vivemos em um mundo cada vez mais barulhento.

Corriqueiro como é, nem sempre notamos quando o ruído deixa de ser um mero elemento da vida cotidiana para se tornar um risco à nossa integridade física. Engana-se quem pensa que podemos nos expor a ele sem consequência alguma!

Consequências do excesso de barulho para os ouvidos

O ouvido humano não foi feito para tolerar sons muito altos. Esses ruídos podem prejudicar sua estrutura interna, causando tanto surdez temporária quanto permanente.

A perda total da audição não chega sem um prelúdio. Os avisos que o corpo envia quando algo não vai bem são:

  • Zumbido
  • Achar que as pessoas estão sussurrando, quando, na verdade, estão apenas falando baixo
  • Pessoas comentando que você vê TV/escuta rádio em um volume muito alto, sendo que você o considera normal
  • Pedir pessoas repetirem o que acabaram de dizer com frequência
  • Usar a leitura labial para entender o que as pessoas falam

barulho causa dano a saude do trabalhador

O que o ruído excessivo causa nas outras partes do corpo?

Uma coisa que muitas pessoas nem imaginam é que os prejuízos do excesso de ruído vão muito além dos problemas auditivos. Nesses casos, a pessoa que se expõe constantemente ao som alto pode desenvolver:

  • Problemas gástricos
  • Problemas cardíacos
  • Dor de cabeça
  • Sintomas psicológicos (ansiedade, stress e irritabilidade)
  • Dificuldade de concentração

É importante ficar atento a esses sinais, pois eles geralmente são mais aparentes que aqueles apresentados pelo aparelho auditivo.

Quando o barulho prejudica a saúde do trabalhador

O cálculo da quantidade de ruído que é suportada sem que afete a saúde do trabalhador não é uma ciência exata. Há pessoas com mais ou menos sensibilidade a ele.

Por isso, a legislação adotou a marca de referência de 85 dB como limite de tolerância para a exposição a ruído. Exposto a níveis de ruído acima disso, o trabalhador pode se aposentar com 25 anos de atividades.

Além de efeitos auditivos e problemas psicológicos e fisiológicos, o barulho também causa alterações na atenção e concentração mental, aumento da irritabilidade e perturbações no trabalho, que acabam comprometendo o rendimento do trabalhador.

O que acontece com as empresas que não cuidam da saúde do trabalhador?

A empresa é responsável pela preservação da saúde do trabalhador por meio de programas e iniciativas de saúde ocupacional, sempre acompanhados por médicos. As consequências de não fazer isso vão além da possibilidade de ter problemas judiciais.

Normalmente, ao se falar da saúde do trabalhador, a primeira preocupação que vem à mente é com os problemas na Justiça, pois há leis que garantem o direito ao conforto acústico no ambiente de trabalho..

Além de responsabilidade judicial, o dano à saúde do colaborador, o que é de fato o maior prejuízo, pode causar também outras perdas significativas para a empresa com o afastamento do funcionário que precisa buscar tratamento.

Quando comprovada a impossibilidade de trabalhar por razões de saúde, a empresa deve arcar com o salário do funcionário afastado nos primeiros 15 dias. Depois desse período, o INSS o contempla com o auxílio-doença, desde que a incapacidade seja comprovada em perícia de saúde ocupacional. Mesmo com o afastamento, ele continua no quadro de funcionários, fazendo com que a empresa continue a arcar com encargos e benefícios, como plano de saúde, por exemplo.

Em casos de incapacitação permanente, o trabalhador pode ser aposentado por invalidez, e a empresa perde um colaborador precioso, ou ele tem que ser remanejado a uma função compatível com o que pode fazer, comprometendo os processos.

Caso esse trabalhador seja qualificado, o transtorno é ainda maior. Encontrar um substituto pode ser um grande problema pois, dependendo da área, pode ser muito difícil encontrar um empregado com o mesmo perfil, pois a escassez de mão de obra ainda é uma realidade, principalmente na indústria.

Em suma, é preciso que as empresas enxerguem a saúde ocupacional como o setor estratégico que ela é. Não é só questão de evitar gastos extras e problemas judiciais: trata-se de reter talentos que são essenciais para o sucesso do negócio.

Como controlar o barulho em empresas?

A saúde no trabalho é uma questão chave para evitar a perda de talentos que podem frear o crescimento do negócio. A solução mais prática para evitar isso é investir em equipamentos de isolamento acústico, que preservam  a audição do trabalhador.

Dependendo do ambiente, da fonte e do tipo de ruído, as soluções podem ser diferentes. Em empresas onde o barulho é maior, como indústrias por exemplo, as principais soluções para impedir que o barulho de máquinas ruidosas prejudique os trabalhadores são:

cabine audiometrica

Avaliações periódicas do ruído nas empresas e da audição do funcionário

Além de se precaver com soluções de isolamento acústico, o empregador deve tomar outros cuidados. Uma delas é medir, periodicamente, o nível de barulho produzido no ambiente em que os funcionários trabalham por um longo período. Empresas especializadas fazem a medição de ruídos usando equipamentos como o decibelímetro (medidor de pressão sonora) e o dosímetro (avalia o tipo de ruído ao qual o ambiente está exposto).

Exames de audiometria nos funcionários

Outra atitude obrigatória do empregador é a realização de exames periódicos para medir a capacidade auditiva dos funcionários. O exame audiométrico, realizado na admissão e na demissão, também deve ser feito em intervalos exigidos pelo programa de saúde ocupacional da empresa. Durante o exame, o examinado é colocado numa cabine audiométrica para isolá-lo dos sons ambientais, e deve responder a sons emitidos pelo examinador com gestos, além de repetir palavras.

Medidas como essas ajudam o empregador a reduzir a produção de ruídos e manter esses níveis abaixo dos valores recomendados pelo Ministério do Trabalho, garantindo assim a saúde física dos trabalhadores e a saúde financeira da própria empresa.

Deixe uma resposta

TOP